83038715_2842271975833958_4330608528055074816_o

Helena no Curso HIT de tradução simultânea

Janeiro e Fevereiro são meses com relativamente pouca demanda em eventos com tradução simultânea. O que fazer nestes períodos, então?

Helena Wergles e a clássica foto com o banner do curso HIT, uma ótima oportunidade para desenvolver e aprimorar habilidades interpretativas em ambiente seguro.

Helena Wergles e a clássica foto com o banner do curso HIT, uma ótima oportunidade para desenvolver e aprimorar habilidades interpretativas em ambiente seguro.

Além de se dedicar a outras atividades profissionais relacionadas, como tradução escrita e legendagem, é sempre um bom momento para investir em formação profissional e aprimorar ainda mais o kit de ferramentas linguísticas necessárias à tradução simultânea. Foi por este motivo que decidi fazer então o Curso HIT, High-Intensity Interpreting Training, oferecido pelas empresas Versão Brasileira e Comunica.

Trata-se de um curso em que os participantes fazem vários minieventos simulados e são ouvidos e criticados por dois experientes intérpretes: fui logo a primeira dentre os 20 alunos a ser avaliada e… sucesso! Consegui um ótimo feedback dos intérpretes facilitadores do curso e recebi sugestões sobre como ficar ainda melhor. O curso tem duração de 5 dias, e, tendo recebido minha avaliação logo ao fim do primeiro dia, aproveitei os 4 seguintes para colocar as sugestões em prática nas várias oportunidades e modalidades de atividades que são propostas para este fim, e penso que consegui fazer significativo progresso nesta empreitada.

Alguns detalhes sobre o curso: foram 8 sessões de cabine nos 4 primeiros dias do curso, e três seguidas no último dia. Os alunos se dividiam entre práticas de cabine e sessões de feedback, de maneira que não só fazíamos a tradução simultânea como também tínhamos a oportunidade de refletir sobre que dicas dar pros colegas com base nas dicas que nos foram dadas, também. Eram 6 cabines no total, todas equipadas com aparelhagem moderna oferecida pela empresa Comunica, uma das organizadoras do evento, e contamos com som límpido, sem ruídos ou interferências. Os técnicos de tradução e sonorização também eram desta empresa, de modo que o setup era bem o de um evento real, e tudo correu muito bem tanto no que diz respeito às questões de “hardware” (aparelhos, cabines, datashow) quanto nas questões de programação (palestrantes ao vivo – nada de vídeos! – falando sobre temas variados e nos mais diversos níveis de dificuldade, material para estudo disponível na pasta compartilhada do curso, etc). Houve também práticas de consecutiva e sessões em que o principal objetivo era nos gravarmos, nos ouvirmos e decidirmos deliberadamente o que melhorar numa repetição do exercício. Uma das principais lições do curso é a utilidade de nos gravarmos. Fica a dica!

Desta maneira, achei o curso bastante proveitoso, pois oferece um ambiente seguro para que possamos ousar e aprimorar a passos largos nossas técnicas em ambiente seguro, para que, na hora de brilhar realmente nos eventos, já estejamos com as sugestões dos instrutores incorporadas ao nosso fazer profissional. Recomendo para outros intérpretes, pois as ferramentas didáticas propostas pelos facilitadores são capazes de ajudar no aprimoramento de intérpretes em diversos níveis de excelência profissional.

HW-sitelogo-06

simultaneous conference interpreter

Conferência de Tradutores nos EUA

Foto junto ao logo da 55ª conferência da Associação Americana de Tradutores.

Foto junto ao logo da 55ª conferência da Associação Americana de Tradutores.

Sim, houve uma pausa nos posts, o que é normal em períodos muito ocupados. Mas aqui estou eu, de volta, e com um bem bacana: falarei sobre a experiência que tive no congresso da Associação Americana de Tradutores, realizado no início de novembro na cidade de Chicago, nos EUA.

É a 2a vez que participo deste congresso: a 1ª foi em 2011, em Boston. E, novamente, tive a mesma sensação boa: a de estar presente em um local com vários tradutores e intérpretes bem-sucedidos e interessados em se aprimorar e em achar meios de valorizar ainda mais a sua nobre profissão.

Assisti a várias palestras interessantes sobre tradução e interpretação proferidas por profissionais que claramente dominam bastante os temas sobre os quais falaram, embora tivesse gostado de assistir a mais palestras sobre interpretação de conferências – uma modalidade que, no mercado americano, detém uma fatia de mercado muito menor do que as chamadas “community” e “legal” interpreting, que são geralmente feitas em ambientes comunitários (hospitais, escolas, etc,) e jurídicos (tribunais e julgamentos) para imigrantes. Aqui, no Brasil, não é feito amplo uso destas modalidades (ao menos ainda), de modo que os detalhes desta prática acabam ficando um pouco fora de contexto para intérpretes brasileiros.

Uma das coisas que achei interessante ao conversar com os simpáticos expositores dos stands dos prestadores de serviço foi a surpresa deles diante do fato de que não é preciso ter nenhuma certificação oficial para ser intérprete no Brasil. Acredito que, lá nos EUA, as demandas de certificação variem de estado pra estado, mas de todo modo fiquei com a impressão de que não é possível apenas “resolver” que vai ser intérprete e sair trabalhando por aí clínicas e hospitais e tribunais (como infelizmente há quem faça no Brasil, sem nem mesmo fazer cursos ou buscar algum meio legítimo de qualificação profissional – o que não é o meu caso!). Aqui, no Brasil, sei que a interpretação em tribunais pode ser feita apenas por tradutores públicos juramentados, mas, de resto, não há grande exigência de credenciais. Concordo com a surpresa dos meus interlocutores: seria bom que houvesse meios de controlar quem tem ou não treinamento formal ou certificação por associações nacionais e internacionais para praticar a atividade de interpretação: isso seria uma garantia de qualidade.

Mas o highlight deste tipo de evento é sempre o networking: tive a oportunidade de encontrar bons colegas e conhecer profissionais competentes do Brasil e do exterior, e essa troca é sempre importante e prazerosa. Há oportunidades de troca profissional “formal”, mas as principais e mais frutíferas são as informais, nas mesas de restaurantes, no karaoquê realizado pela Divisão de Língua Portuguesa (PLD)… foi muito bacana!

E, no fim, fica sempre o gostinho de “quero mais”. Por motivos pessoais já antevistos, será um pouco difícil ir à proxima edição, que será em Miami de 2015, mas… 2016 está aí pra isso!

HW-sitelogo-06

Helena Wergles preparando um glossário para evento de tradução simultânea em lan house

Ser intérprete é… / Being an interpreter is…

Helena Wergles preparando um glossário para evento de tradução simultânea em lan house

Helena Wergles preparando um glossário para evento de tradução simultânea em lan-house: empenho em primeiro lugar!

Ser intérprete em tempos de correria é isso aí ao lado: passar duas horas e meia em uma lan-house montando um glossário entre um compromisso e outro. Eventos com terminologia muito específica (neste caso, médica) exigem o máximo de preparação possível, e essas duas horas e meia na lan-house, somadas a outras cinco em um espaço de coworking foram preciosas horas investidas para garantir qualidade.

 

Being an interpreter in busy times looks a bit like what you see on this picture: between one appointment and the next, I had to spend two and a half hours in a cyber café so as to put together a glossary for an event which had very specific terminology (in this case, it was a medical event). Events with specific terminology require as much preparation as possible, and those 2h30 at the cyber café and another 5h spent at a coworking space were precious hours invested in order to ensure quality.

HW-sitelogo-06

Tradução simultânea com aparelho portátil

O desafio desta semana foi interpretar simultaneamente usando o aparelho de tradução simultânea portátil. Ora, mas qual é o desafio? Não é só fazer a mesma coisa que se faz dentro de uma cabine? Bem, em certa medida, é, mas há uma série de pequenos desafios logísticos que o intérprete precisa lidar rapidamente e com muito jogo de cintura.

Breve descrição do cenário: um workshop em que todos os participantes compreendiam e falavam inglês e português, exceto por UM participante estrangeiro que não dominava o português, e UM professor convidado que solicitou que lhe fosse permitido apresentar em português o seu estudo de alta relevância para o workshop. Assim, fui contratada para traduzir uma única apresentação de meia hora para um único participante, de maneira que atuei sem companhia de um segundo intérprete.

O primeiro desafio foi achar um lugar na sala. Os participantes eram muitos, a sala era pequena e a tradução simultânea
portátil não conta com o isolamento acústico da cabine. Sendo assim, o intérprete precisa falar bem bem bem baixinho, e sua voz é captada pelo microfone que fica plugado em um transmissor, que, no evento em questão, foi exatamente como o da foto ao lado, da marca Williams Sound. Sendo assim, para não atrapalhar os participantes com a minha voz falando junto ao palestrante, tive que achar um cantinho pra mim.

Mas serve qualquer cantinho? Não! O intérprete tem que estar atento para achar um lugar em que ele possa ouvir bem tanto o palestrante quanto as perguntas ao final e, em um lugar que não dá pra circular, tal como em uma sala cheia, o jeito é arrumar um lugar na frente da sala, próximo ao palestrante. E não é que tinha um flipchart atrás do qual eu pude colocar minha cadeira e ficar “escondida” do público, só audível para o meu único ouvinte através do receptor dele (foto)? Ótimo, perfeito, primeiro desafio resolvido!

E agora, o desafio final: no fim da palestra, do nada, o meu transmissor parou de funcionar. Eu não percebi e continuei traduzindo. Meu ouvinte sinalizou que havia um problema. Olhei para o meu aparelho: desligado, todas as luzes apagadas, sem que eu nada tivesse feito. Tentei religá-lo em vão. Um segundo de pânico. E agora!?

Pois bem, antes mesmo de ter tempo de me preocupar, a solução veio. De onde? Do excelente técnico de som da empresa indicada por mim, que alugou para o cliente o equipamento portátil de tradução simultânea. Ele estava ouvindo a tradução o tempo todo e, no mesmo momento em que o ouvinte percebeu o problema, o técnico já estava vindo com um segundo transmissor. Sim, ele tinha um transmissor reserva, o que é muito importante, como se pode ver. Foi feita a troca e, em questão de segundos, o ouvinte já estava novamente acompanhando a palestra. Nada como um técnico previnido de uma empresa responsável que traz dois transmissores para caso um dê problema e que está ouvindo o trabalho o tempo inteiro!

Assim, como vocês veem, a tradução simultânea não depende apenas do intérprete, mas de todo um conjunto de fatores que precisam estar tão harmonizados quanto possível para o sucesso do evento, sendo que a escolha da empresa que aluga os equipamentos de tradução (cabine, etc.) é um dos itens mais importantes. Resultado da história: cliente satisfeito, agradecimentos e elogios por parte do meu único e simpático ouvinte e a sensação de mais uma missão cumprida!

HW-sitelogo-06

Preparação para evento científico / Getting ready for interpreting at a scientific event

Tradução simultânea: “behind the scenes”

Preparação para evento científico / Getting ready for interpreting at a scientific event

Preparação para evento científico / Getting ready for interpreting at a scientific event

Vou postar aqui algumas fotos tiradas por mim em eventos com tradução simultânea (sem revelar a identidade do cliente ou do evento propriamente dito – a confidencialidade vem sempre em primeiro lugar!). A ideia é dar a vocês uma ideia de como o evento é visto e vivido a partir da perspectiva do intérprete.

Na tela do computador, há um arquivo de excel: é um extenso glossário preparado por mim com base em uma apresentação de power-point enviada com antecedência pelo cliente. Foi assim que aprendi a terminologia científica que seria utilizada. Os post-its contêm as palavras mais difíceis que poderiam fugir da lembrança imediata, então foi por isso que decidi mantê-las bem diante dos meus olhos. Foi um evento difícil, mas o cliente mostrou-se satisfeito no final, e é isso que importa!

I’ll be posting here some pictures taken by me in real life simultaneous translation events (without revealing the client’s identity or anything about the event itself – confidentiality always comes first!), so that you can have a glimpse of how the events are seen and experienced from the interpreter’s perspective.

On the computer screen, you can see an excel file: an extensive glossary which I prepared based on a power-point presentation sent well in beforehand by the client. That’s how I learned the specific scientific terminology that would be used. The post-its contain the most difficult words that could escape immediate recollection, so that’s why I decided to keep them right before my eyes. It was a tough event, but the client was happy at the end, and that’s all that matters!

HW-sitelogo-06

HW-sitelogo-06

Tradução simultânea: reunião

Fazer uma tradução simultânea em uma reunião que fazia parte de uma sequência de reuniões, cujo andar das negociações eu desconhecia. É um desafio porque todos os envolvidos sabem de cor e salteado tudo o que já foi acordado e o que ainda falta resolver… todos, menos o intérprete, que é quem está promovendo o entendimento entre ambas as partes. É como cair de paraquedas em um processo já em andamento – ou já quase concluído, como parecia ser o caso. Em momentos assim, é preciso que o intérprete fique muito antenado ao contexto, para que o estranhamento com o conteúdo dure o mínimo de tempo possível. E foi o que aconteceu: fiquei um tanto “perdida” durante cerca de meia hora, mas, de repente, me senti como se tivesse feito a tradução simultânea de todas as reuniões da sequência, de tão confortável que a situação ficou. Ajudou muito também o fato de a colega com quem estava trabalhando ter estado presente em grande parte das reuniões antecedentes, o que foi de grande ajuda em certos momentos – inclusive o da preparação para o evento, pois ela gentilmente me ofereceu um glossário para estudo. A tradução simultânea bem-sucedida exige esse trabalho de equipe para que o sucesso seja garantido, e um bom entrosamento entre os profissionais que vão fazer a interpretação é de valor inestimável.


HW-sitelogo-06