Sabe aquela tradução “tipo a do Oscar”, ou a que ocorre ao fim das partidas de futebol na Copa do Mundo?

É disso que estou falando. E, aqui, você conversa direto com quem faz!

Na interpretação simultânea, a voz da intérprete leva o conteúdo traduzido quase que instantaneamente para os ouvintes.

Assim, a tradução simultânea é muito prática e era muito utilizada em eventos e conferências presenciais, na TV, etc. Mas, agora que existe o “novo normal”, não há mais fronteiras limitando a comunicação, e os eventos multilíngues estão mais abrangentes que nunca!

Antes, intérpretes iam até o local do evento e sentavam-se em cabines com equipamentos. Eis que, a partir de 2020 fazemos a mágica acontecer com o que chamamos de RSI, Remote Simultaneous Interpretation.

Com a tecnologia certa, sua mensagem chega em qualquer lugar!

Parece simples. Mas, para ser assim, ocorre muito trabalho prévio “nos bastidores” por parte da equipe de interpretação, seja em eventos presenciais ou RSI:

Familiarização prévia e contínua com o universo terminológico do evento

Imagina chegar para fazer a tradução simultânea após as partidas da Copa do Mundo sem conhecer, por exemplo, os nomes dos jogadores da partida? Sem ter, na ponta da língua, as traduções de termos como “atacante, zagueiro, juiz, impedimento, entre outros.” É um exemplo simples e caricato, mas você entendeu, não é? Será nada menos que catastrófico!

O mesmo vale para empresas: a equipe de interpretação precisa do máximo de material e contexto possível antes de interpretar sua reunião, evento virtual ou presencial. Recebendo estes materiais com antecedência, preparamos glossários e terminologia. A parceria entre intérprete e cliente ajuda a todos os envolvidos: palestrantes, intérpretes e o público. Vamos conversar!

Intérpretes que se esforçam são “detetives”

Profissionais que se importam com a mensagem que estão comunicando amam informação. Assim, a Internet é o “nosso parquinho”. Estudarei sobre a sua empresa. Antes do evento, buscarei vídeos de palestrantes no YouTube para me preparar quanto à velocidade da fala, sotaque e mentalidade. Perguntarei o que você quer comunicar e para quem, seja um evento remoto ou presencial.

Por tudo isso e muito mais, o “melhor dos mundos” é estabelecer uma parceria direto com quem fará a interpretação: assim, é possível conversar sobre a cultura e estrutura da empresa, KPIs e, sobretudo, a intenção da comunicação na situação remota ou presencial.

Explico aqui por que é importante ter contexto comunicacional: imagine alguém da diretoria do YouTube estiver fazendo uma live super “wow!” para milhões de jovens. O registro da interpretação deve acompanhar a animação do momento para engajar o público! Entretanto, no dia seguinte, esta mesma pessoa estará em uma reunião com acionistas. É óbvio que o registro da língua muda completamente, e o formalismo precisa ser acompanhado na tradução. Levar intérpretes sem energia para o primeiro evento mataria completamente a intenção do evento, ao passo que uma informalidade mal colocada na segunda situação pode causar graves perdas financeiras!

Mais do que traduzir palavras, intérpretes comunicam uma interpretação de uma mensagem

O foco é sempre na comunicação e em intervenções culturais pontuais, se necessário. E o que cultura tem a ver com isso? Bem, imagine traduzir literalmente expressões como “matar a cobra e mostrar o pau” para um público estrangeiro, sem explicar ou encontrar um equivalente no idioma alvo: haverá uma falha, uma quebra na comunicação, e NÃO queremos isso!

Planejamento das condições e ferramentas de trabalho

No “antigo normal”, a tradução simultânea no mercado brasileiro era quase sempre presencial, até por conta do sagrado networking. Eram necessárias cabines, equipamento de interpretação, equipe técnica especializada na operação deste equipamento, etc.

Porém, quantos não são os casos em que intérpretes chegaram e não havia nada, nenhuma infraestrutura dedicada? Ou que a organização do evento contratara apenas o equipamento, imaginando que sairia dos radinhos receptores algum tipo de tradução automática mágica? E isso apenas no “antigo normal”.

Agora, no “novo normal”, os desafios são outros: seja trabalhando de casa ou de um hub (estúdio dedicado a eventos de tradução simultânea), é preciso garantir boa conexão de internet, bom headset, garantias contra queda de luz, dispositivos adicionais para interação com o restante da equipe de interpretação e muito mais. Qual será a plataforma da reunião virtual? Nem todas as plataformas de reuniões virtuais oferecem a funcionalidade de tradução simultânea. Aliás, será que é melhor trabalhar de casa ou em um hub? Converse comigo: explicarei sobre as opções existentes com base na experiência e na familiaridade com as ferramentas de RSI.

Mas, antes de concluir, destaco mais uma linha de conversa constante com clientes:

Ah, nossa empresa não sabe se vai contratar a interpretação pois todos são fluentes em inglês.”
— Sendo bem sincera: na dúvida, contrate.

Por mais orgulho que tenhamos dos idiomas aprendidos, na hora de demonstrar seu domínio sobre um assunto, não há liberdade mais deliciosa do que falar plenamente no seu próprio idioma em vez de ter que ficar escolhendo palavras em um idioma estrangeiro para se comunicar. Use o idioma no qual seu cérebro pensa!

Ter interpretação é um ato de inclusão

Os níveis de fluência variam, e algumas pessoas podem se sentir menos à vontade para falar. Se alguém opta por calar ou não consegue encontrar as palavras certinhas no idioma estrangeiro, preciosos itens de conhecimento podem ser ignorados ou comprometidos. Acredite: já vi especialistas de todo tipo ficarem aquém do seu nível de saber por limitação linguística e, a partir do momento que mudam de ideia e resolvem deixar a tradução para intérpretes realizarem, simplesmente brilham! A imagem mental é de peixes que estavam sendo mantidos em baldes sendo soltos em lagos.

A interpretação vira uma aliada ao bem-estar de todos: intérpretes organizam a mensagem. Em eventos remotos, isso é ainda mais importante: falar e ouvir na língua-mãe é um oásis em meio a tantas interrupções e interferências (da internet fraca ao cachorro do vizinho, a lista é longa. Mas você já sabe bem, certo?)

Conclusão: nada de abortar saberes só por falta de interpretação:
um crime triste e desnecessário, além de possivelmente gerar prejuízos de todo tipo, inclusive financeiros!

Tradução consecutiva

A interpretação consecutiva é aquela em que a pessoa que está palestrando fala algumas frases, faz uma pausa e, logo em seguida, a intérprete traduz.

Até o desenvolvimento tecnológico proporcionado a partir do século XX, a interpretação consecutiva era praticamente a única possibilidade, pois não envolve equipamentos.

Pensando bem, desde que o mundo é mundo, há pessoas realizando o ofício de tradução consecutiva: quando uma corte real ia visitar outro reino, por exemplo, ou quando mercadores iam ao estrangeiro comprar tecidos ou artigos exóticos, alguém fazia uma tradução da negociação, certo? E, como ocorreu com todos os setores do saber, esta forma de comunicação evoluiu e ganhou padrões profissionais.

A única grande ressalva a ter em mente é que a tradução consecutiva dobra o tempo da palestra. Assim, se a palestra durar 1h, oriente a pessoa que palestrará a preparar uma fala de 30 min, para que haja tempo para a tradução e, talvez, algumas perguntas e respostas.

Quando não se organiza bem o tempo em eventos com tradução consecutiva, muita gente sai frustrada #ficaadica

Interpretação de acompanhamento

Tanto a interpretação simultânea quanto a consecutiva podem ser usadas em ambientes externos, visitas a instalações, treinamentos, etc. O setor de tradução denomina este tipo de situação como “interpretação de acompanhamento”. Para utilizar a modalidade simultânea, é necessário contratar equipamento à parte. Se for essa a sua necessidade, entre em contato e explicarei os detalhes.

Quer saber mais sobre como seu evento é visto pela perspectiva do intérprete?